19 de agosto de 2017

17 de agosto de 2017

Minho 2017 #1

Estou de fériaaaaaaas :D Vá, tecnicamente no Sábado ainda faço 12h de urgência... Mas amanhã estou de folga e a partir de Segunda não trabalho! YEY! :D

Vamos lá então começar com as fotos da nossa mini-viagem ao Minho :D

Quinta do Rocha :)

13 de agosto de 2017

Minho 2017 - O resumo!

(Confesso que tive alguma dificuldade em pensar no nome desta viagem. Por um lado, chamar-lhe 'Braga e Gerês' parecia-me muito redutor, até porque vimos muitas outras coisas. Por outro, chamar-lhe 'Minho' parecia-me um bocado pretensioso, até porque só estivemos na parte mais sul (Vila Verde, Amares, Braga e Terras de Bouro). Talvez o mais correcto fosse chamar 'Vale do Cávado', embora não tivéssemos visitado Barcelos nem Esposende. Como vêem, a minha vida tem muitos dramas existenciais.) :)

No fim de Julho uma amiga do Pedro casou em Vila Verde, no Santuário da Nossa Senhora do Alívio. Como o casamento foi numa Sexta-feira à tarde, decidimos aproveitar para passar o fim-de-semana pela zona. A festa foi em Amares, ficámos hospedados numa quinta muito gira em Vilela e durante o fim-de-semana andámos a passear por Braga e por Terras de Bouro e ainda demos um saltinho à Citânia de Briteiros em Guimarães :D

Espero que gostem das fotos :D








Mais fotos em breve :D

8 de agosto de 2017

O peso do amor.

Aqui:

'That love - Oh Lord, that love. Sometimes it's too much, isn't it? The love and the worry it drags along with it. The love and the frustration it drags along with it. The love and the exhaustion it drags along with it. Love is loaded, Mama. It's heavy and all-consuming and awesome and frightening. It's delightful and life-affirming and blessed and holy. A mother's love is not easy, not in the beginning, not in the middle, not ever. It's a huge treasure chest, loaded with riches and gems, valuable beyond measure. But it's not light, and it's not easy. You can't have that love without the weight. The two are inseparable.'

<3

(Nota-se muito que estou de urgência?)

Quinta Pedagógica 2017 :)

No fim-de-semana em que fomos para Sesimbra o Matias ficou com a minha sogra e o companheiro, e no Domingo a Joana e o Bernardo foram passear com ele para a Quinta Pedagógica. Vai daí, voltámos do nosso fim-de-semana romântico directamente para as vaquinhas e as ovelhas :D

As fotos foram tiradas pela Joana porque nós andávamos entretidos com o Matias, mas acho que já dá para terem uma ideia do quanto aquilo é giro :D O Matias pareceu não ter ficado completamente convencido, mas há duas razões para isto: estava a morrer de sono (neste dia não tinha dormido de manhã e dormiu pouco durante a tarde) e ainda estava a recuperar da varicela :)



Sesimbra 2017 #4

Hoje trago-vos as últimas fotos de Sesimbra * snif *. Fico sempre nostálgica em relação às férias quando mostro aqui as fotos, e Sesimbra não foi excepção. Fiquei com tanta vontade de voltar que até tentei convencer o Pedro a irmos este fim-de-semana (até porque o Bernardo também lá está), mas parece-me que não tive grande sucesso. É pena :)

Gin à beira-mar :D

4 de agosto de 2017

Faz birras? Ainda bem!

Como imaginam, as birras são um dos motivos mais frequentes de pedidos de consulta na Psiquiatria da Infância e da Adolescência. Normalmente estão associadas a outras alterações do comportamento, é um facto, mas não deixam de ser algo com que estamos imensamente habituados a lidar.

Confesso que estava curiosa para saber como seria lidar com uma birra de um filho. Afinal, uma coisa é mandar bitaites do outro lado de uma secretária depois de ler uns quantos livros, outra completamente diferente é lidar ao vivo e a cores com um filho que parece precisar de um exorcista.

Nos últimos tempos eu e o Pedro temos conversado muito sobre o tema e aprendido imenso. Já há algumas semanas que queria ter escrito este texto, mas como ultimamente tenho andado cansada tinha algum receio de não conseguir escrever um texto minimamente coerente.

Sesimbra 2017 #2

No início do ano falei-vos dos projectos de viagem que tínhamos para 2017, e até ver está tudo a correr como esperado. Fui a Santorini, daqui a duas semanas vamos a Moscovo e a São Petersburgo, em Setembro vamos a Miami e a Orlando (e à Bahamas!), em Dezembro vamos à Serra da Estrela, não me colei ao congresso do Pedro em Helsínquia mas vou-me colar ao de Barcelona, fomos à Disneyland, a Florença, a Sesimbra e ao Minho e até já temos três viagens marcadas para 2018 (Svalbard está marcado (histeria!), vamos ver a peça do Harry Potter a Londres e ofereci um fim-de-semana nos Alpes à minha mãe).

Vai daí, ultimamente andamos em pleno modo de organização de viagens, ao ponto de já andar ansiosa com a quantidade de projectos em que nos metemos. Eu sei que isto soa um bocadinho snob e garanto-vos que tenho problemas muito sérios e tristes e tal, mas não posso realmente fazer nada em relação a eles (enquanto que posso efectivamente planear viagens).

Assim sendo, confesso que a viagem a Sesimbra já parece ter acontecido há uma vida atrás (até porque entretanto fomos ao Minho) e tem sido refrescante rever as fotos :) Espero que gostem :)

O início da aventura

O primeiro passo para a autonomia.

Ultimamente temos aproveitado o tempinho entre o jantar e o banho do Mati para dar um passeio a pé. Todos os dias temos um destino específico como ir comprar fruta na mercearia, ir à padaria, ir à biblioteca, ir ao Glood ou comer um gelado na Artisani. O Matias vem a andar agarrado à nossa mão ou sozinho, vai apontando para os pombos e os cães (dizendo 'bá'), vai apanhando pedras e folhas do chão e temos passado fins de tarde muito tranquilos e engraçados.

Há dois dias o Matias apanhou uma planta do chão e ficou de cócoras a examiná-la. Depois levantou-se e tentou colocar a planta na boca. Eu estiquei a mão e disse 'não'. Ele esperou dois segundos e voltou a tentar (agora mais disfarçadamente) colocar a planta na boca. Eu tirei-lhe a planta da mão.

O Matias deitou-se na calçada a gritar e a chorar. Faz quinze meses daqui a dez dias.

Eu e o Pedro ficámos muito serenos a olhar para a situação. Eu baixei-me ao lado do Mati e disse que era normal ele sentir-se frustrado e que ia passar. E um segundo depois apareceu um cão e o Mati lá se distraiu a brincar com ele (o que também foi muito engraçado, porque o cão se fartou de lhe lamber a cara e o Matias ficava com um ar mesmo patuscão).

Tenho há séculos um texto nos rascunhos com sugestões acerca de como lidar com as birras. Ainda não o publiquei porque não sei se faria sentido, não sei se são estratégias demasiado simples e, acima de tudo, não sei se são sugestões que resultam a longo prazo. Mas sei que esta fase de autonomização do miúdo está a ser divertida de acompanhar, e que tem sido giro tentar ajudá-lo (muitas vezes sem sucesso, mas faz parte) a reorganizar-se e a crescer.

O Matias tem quinze meses e já se atira para o chão a fazer birras. Já quer coisas. Já fica frustrado. É a vida. E ainda bem.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...r: 0" />